segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

PNAIC 2014: Somando e multiplicando as ações pedagógicas no Seminário Final

Em continuidade às ações formativas do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, é com prazer que apresentamos o “2.º Seminário dos Professores Alfabetizadores de Campo Limpo”. A semente germinada em 2013 ressurge em 2014 com raízes mais fortes e frutos ainda mais saborosos.

Desenvolvido pelos e para os professores alfabetizadores, o presente evento apresenta alguns desses frutos constituídos pelo aprofundamento conceitual e prático compartilhado nos encontros formativos PNAIC, nos horários coletivos nas unidades escolares e, sobretudo, na vivência da aula e contato com os saberes dos estudantes.

Em continuidade aos propósitos de valorização docente, a formação na região do Campo Limpo confirmou a importância do trabalho coletivo, do estudo contínuo, da autonomia e olhar cuidadoso para os alunos, interagindo e oportunizando a todos seus direitos de aprendizagem.

Os relatos divulgados comprovam o processo de luta vivenciado pelos educadores que buscam, em sua prática diária, (re)construir conhecimentos e transformar suas salas de aula em espaços de ação, reflexão e ação.

Mais uma vez agradecemos e parabenizamos as professoras e professores que somaram e multiplicaram suas ações, subtraindo angústias e dividindo conosco suas experiências.

Bons trabalhos a tod@s!

Maria Cecília Carlini Macedo Vaz
Elza de Lima Ferrari
Elenita Santana de Almeida
Responsáveis pelo PNAIC na DOT-P/DRE Campo Limpo

--------------------------------
O texto acima apresenta os pressupostos do II Seminário dos Professores Alfabetizadores do Campo Limpo, ação realizada por e para professores. 

O evento aconteceu no dia 29/11/2014, no CEU Campo Limpo, e contou com a participação artística de Aparecido Thomaz, estudioso do violão clássico, professor de Matemática da EMEF De Gaule e Diretor da Escola Reverendo Jacques. 



Matemática e música mantêm estreita relação. Os ritmos, cadências e escalas envolvem medidas de tempo e intensidade, mas o que se destaca é o prazer estético proporcionado. 

Após a belíssima apresentação de Thomaz e seus alunos, Alexandre Ferreira Cordeiro, Dirigente da DRE Campo Limpo, e Maria Cecília Carlini Macedo Vaz (Ciça), Diretora de DOT-P, cumprimentaram os professores alfabetizadores iniciando oficialmente os trabalhos do dia.



Na sequência, o Formador PNAIC SME/UNESP, Professor José Roberto de Campos Lima, iniciou a palestra sobre Pensamento Algébrico, um dos eixos da Matemática, e mobilizou pensamentos na plateia.







Vamos relembrar esses conceitos com os slides abaixo, organizados por José Roberto.






















Prosseguindo por essa estrada da vida, a Orientadora de Estudos Edicleide Urbano, com o apoio dos demais Orientadores e Orientadoras, levantaram a plateia com uma vivência de lateralidade, corpo e movimento. "Baila tu cuerpo":


 

Um dos focos das atividades PNAIC é a ludicidade. A vivência comprova o quanto é possível aprender e se divertir considerando as diversas infâncias presentes na sala de aula. Se é bom para os adultos, imagine para as crianças!

Em continuidade, a mesa temática "Consciência política e responsabilidade docente na ação pedagógica: diversidade e diferença" composta pelas Orientadoras Luciana Miyano e Maria Lúcia Lopes do Prado, e a Diretora de DOT-P, Ciça sensibilizou os participantes.

As explanações abordaram a diversidade e a diferença, considerando a origem dos termos, suas acepções e as consequências advindas das diferenças muitas vezes serem entendidas apenas como desvantagens e, por isso, privarem as pessoas do respeito e do direito à aprendizagem.

Na atualidade, é fato que a educação deve atender à diversidade e que, coletivamente, a escola precisa buscar estratégias para que todos tenham oportunidade de avançar em suas aprendizagens. Para tanto é preciso consciência política e atuação ética na ação docente. 




























Vale a pena rever o curta "Quatro esquinitas de nada" selecionado por Luciano Miyano para ilustrar a necessidade e possibilidade de uma educação que atenda a todos e todas.






domingo, 16 de novembro de 2014

II SEMINÁRIO DOS PROFESSORES ALFABETIZADORES DE CAMPO LIMPO: PREPAREM-SE!

SITUAÇÕES PROBLEMAS ENVOLVENDO A ANÁLISE COMBINATÓRIA

A abordagem desse tema começou com a proposição de quatro situações problemas que se mostraram grandes desafios aos professores acostumados a resolver problemas por meio de algoritmos, mas também mobilizaram o grupo a experienciar outras formas de resolução menos formais, como esquemas e desenhos.

Será que você leitor é capaz de resolver os mesmos desafios? Quais estratégias pode utilizar?






A classificação dos problemas em arranjo, combinação, produto cartesiano e permutação não é atividade a ser proposta aos estudantes do Ciclo de Alfabetização. Ela é importante apenas à vivência dos professores, uma vez que lhes permite refletir sobre a variedade de desafios possíveis que pode propor aos alunos.

Nessa fase, o mais importante é que os estudantes vivenciem problemas que envolvem diferentes combinações e sejam possíveis em seu cotidiano. Eles devem ser incentivados a utilizarem percursos próprios e, posteriormente, relatarem ao grupo como pensaram para chegar à determinada solução. 

As situações problemas favorecem o desenvolvimento do raciocínio que envolve a combinação de elementos. É importante perceber que as especificidades das situações problemas estão relacionadas a dois fatores importantíssimos: a organização dos grupos e subgrupos e a relevância ou não da ordem dos elementos.

Analise a seguir algumas respostas possíveis aos problemas propostos acima.





É fundamental que o professor incentive o raciocínio sobre a situação problema e o registro de diversas formas para resolvê-la. Em geral, há mais de uma estratégia de resolução e, no caso dos estudantes do Ciclo de Alfabetização, esses problemas precisam ser introduzidos por meio de recursos mais concretos até que consigam pensar em outras representações mais sintéticas.

As respostas dadas pelos alunos aos desafios propostos acima comprovam que o tema é adequado a essa faixa etária e que quanto mais experiências forem sendo vivenciadas nessa fase, mais os estudantes aprenderão ao longo do percurso escolar.